GPWeek com The Killers, Twenty One Pilots, Hot Chip, The Band Camino e Fresno – 12-11-2022 – São Paulo (Allianz Parque)

Texto por Carlos Ferracin – Fotos por Chris Phelps (Midiorama) – Edição por André Luiz

Que a Fórmula 1 é um dos maiores eventos da cidade não há a menor dúvida e, nesse ano, o mesmo fim de semana marcou a primeira edição do Festival GPWeek, celebrando os 50 anos do esporte no Brasil e reforçando a conexão do automobilismo com a música. O Allianz Parque foi o local escolhido para um evento que contou com shows de The Killers, Twenty One Pilots, Hot Chip, The Band Camino e Fresno.

As redondezas do estádio estavam tomadas por fãs de faixa etária variada, quando surgiu no palco a responsável pela abertura do festival, os veteranos brasileiros do Fresno. “Veteranos” pode ser um exagero, mas o próprio Lucas Silveira disse antes da execução da última música “nós temos 23 anos de carreira e vocês estiveram sempre ai”.

Exageros à parte e já se lembrando da falada “volta do emo”, foi um show de pura nostalgia desta que é uma das bandas mais lembradas quando se trata do estilo. Com o público ainda se acomodando, foram despejadas músicas que fizeram parte da vida de muita gente que estava ali. “Vou Ter Que Me Virar”, “Já Faz Tanto Tempo”, “Casa Assombrada” e o cover de “Eva” (música já gravada por Rádio Taxi e Banda Eva) foram os momentos mais legais de uma ótima apresentação e uma escolha acertada para o início dos trabalhos no festival.

Set List Fresno:
Essa Coisa (Acorda-Trabalha-Repete-Mantém)
Vou Ter Que Me Virar
Fudeu!!!
Natureza Caos
Manifesto
Quebre As Correntes
Já Faz Tanto Tempo
Cada Acidente
Agora Deixa
Diga, Parte 2
Eles Odeiam Gente Como Nós
Casa Assombrada
Eva (Rádio Táxi cover)

Na ativa desde 2015 e fazendo a sua estreia na América do Sul, The Band Camino foi à atração seguinte a se apresentar. Desconhecidos da maioria e inicialmente nervosos, os músicos foram se soltando com o decorrer do show, em especial o multifacetado frontman Spencer Stewart. Músicas como “I Think I Like You”, “Damage” e a trinca final da apresentação “See Through”/“1 Last Cigarette”/“Daphne Blue” – com participação do guitarrista brasileiro Mateus Asato (Jessie J, Bruno Mars) – foram conquistando o público, o qual ao fim ovacionou performance da banda.

Apesar de desconfiar quando uma banda é chamada de “nova sensação”, The Band Camino faz jus a todo hype que começa a se formar em torno do grupo. Influenciada pelas bandas que mesclavam sons mais dançantes com guitarras surgidas no início do século, The Band Camino é uma ótima promessa a qual vale a pena conferir.

Set List The Band Camino:
Know At All
Roses
Less Than I Do
2/14
I Think I Like You
Who Do You Think You Are?
Song About You
Never A Good Time
Hush Hush
Just A Phase
California
Damage
What I Want
Haunted
See Through
1 Last Cigarette
Daphne Blue

Se The Band Camino era novidade, o Hot Chip trata-se de um velho conhecido do público brasileiro – foi a sexta vez que visitaram o país – mas que apresentaram um show o qual classificaria apenas como “morno”. Não que a apresentação tenha sido ruim, a banda possui ótimas músicas que seguram facilmente o grande público de um festival. Faixas recentes como “Down”, “Eleanor” e “Freakout/Release” além de faixas como “Ready For The Floor”, “Over And Over” ou a derradeira “I Feel Better” demonstraram o porquê do Hot Chip ser considerado ícone da cena eletrônica mundial.

A questão é que praticamente não existia uma interação entre a banda e a plateia – muito embora o frontman Alexis Taylor arriscasse algumas frases em português no decorrer da performance –, ou talvez o grupo adote uma postura de “anti-rockstars” de forma proposital para que a música seja a única estrela da apresentação. De qualquer modo, esta “fórmula” pode funcionar melhor em espaços menores, mais intimistas, do que para um público maior.

Set List Hot Chip:
Down
Flutes
Eleanor
Freakout/Release
Hungry Child
Ready For The Floor
Straight To The Morning
Melody Of Love
Dance (ESG cover)
Over And Over
Huarache Lights
I Feel Better

Formado em 2009 por Tyler Joseph e que atualmente conta também com Josh Dun, o Twenty One Pilots tem a fama de “banda fenômeno” por seus recordes de streamings – na casa de bilhões – e a enorme quantidade de sucessos. E podem ter a total certeza que essa fama foi justificada ao vivo, no Allianz Parque. Desde a primeira música, “Guns For Hands”, o que se viu durante a apresentação foi um público cantando as músicas em uníssono e respondendo a cada gesto de Tyler Joseph.

Tyler, inclusive, foi responsável por alguns dos momentos mais memoráveis da noite – como, por exemplo, subir na torre que fica no centro do gramado durante “Stressed Out” ou quando regeu uma “orquestra de celulares” em “Mulberry Street” – e que ficou visivelmente emocionado após “Lane Boy” com toda aclamação vinda do público.

Mas, de toda a apresentação, o que mais me cativou foi a “campfire acoustic”, com toda a banda reunida em torno de uma “fogueira” e executando temas variados no formato acústico – medleys compostos por trechos de “The Hype / Nico And The Niners / Tear In My Heart” e “House Of Gold / We Don’t Believe What’s On TV”. E teve também uma homenagem ao nosso país durante um solo de trompete, no qual “Aquarela do Brasil” foi emendada na trilha do game de sucesso Halo com “Halo’s Theme”.

O encerramento deu-se com o hit “Heathens” – trilha sonora do filme “Esquadrão Suicida” – e “Trees” em meio a chuva de papel picado. Para quem nunca havia assistido uma performance da banda – o que foi meu caso – a única palavra que me veio à mente ao presenciar o show do Twenty One Pilots foi “avassalador”, uma experiência diferenciada aos fãs presentes no Allianz Parque.

NOTA DO EDITOR: pedimos desculpas pela ausência de imagens das demais bandas, mas foram cedidas pela assessoria do evento apenas fotos do The Killers.

Set List Twenty One Pilots:
Guns For Hands
Morph
Holding On To You
The Outside
Lane Boy
Chlorine
Mulberry Street
The Judge / Migraine
The Hype / Nico And The Niners / Tear In My Heart
House Of Gold / We Don’t Believe What’s On TV
Aquarela do Brasil / Halo’s Theme
Jumpsuit
Heavydirtsoul
Level Of Concern
Ride
Shy Away
Car Radio
Stressed Out
Heathens
Trees

Uma coisa a qual deve ser destacada sobre o The Killers é são uma das bandas de rock mais ouvidas neste século. Razões? Um instrumental que exala otimismo transportando o ouvinte a alguma pista de dança, as letras com refrãos os quais grudam na mente instantaneamente, e por fim, esta formula combinada a qual funciona muito, mas muito bem em grandes festivais.

A abertura com “My Own Soul’s Warning”, uma das melhores faixas do penúltimo álbum da banda ‘Imploding The Mirage’, já dava a tônica do que deveríamos esperar do show – músicas contagiantes sem margem para a plateia respirar. Os únicos momentos mais calmos – se é que podemos chamar assim – foram a curtíssima “Enterlude” e “A Dustland Fairytale”.

Brandon Flowers foi, com o passar dos anos, se tornando um excelente frontman. Elegantemente trajado e com um sorriso permanente, ele conseguia segurar facilmente o grande público seja arriscando um português carregado de sotaque ou ao anunciar ao público que a “banda precisava de um baterista” e escolher alguém da plateia – identificado apenas como Rafael – para tocar “For Reasons Unknow” no lugar de Ronnie Vannucci.  Não que tais atitudes sejam totalmente espontâneas – no sentido de “nada planejado” –, mas passam um certo respeito que acaba por cativar o público.

O público vibrou muito com um set list o qual priorizou os primeiros álbuns da banda norte-americana, não deixando nenhum hit de fora – e esse deve ser sempre o teor de qualquer show: agradar ao público. Impossível assistir à apresentação e não se emocionar em temas como “Read My Mind”, “Human” ou “All These Things That I’ve Done”; até uma nova canção, “Boy” – dedicada ao filho adolescente de Brandon –, teve uma calorosa recepção.

A escolha para o encerramento foi perfeita em todos os sentidos: a dobradinha formada por “Spaceman” e “Just Another Girl” carregada por pirotecnia em forma de cascata no palco e o gran finale com o hit “Mr. Brightside” entoado em uníssono pelos presentes. Após a ótima experiência, com line up de primeira grandeza e uma ótima organização, esperamos que esse festival seja incorporado definitivamente ao calendário da cidade, reforçando cada vez mais a conexão entre música e automobilismo no Brasil (agradecimentos à 30E – Thirty Entertainment e Midiorama).

Set List The Killers:
My Own Soul’s Warning
Enterlude
When You Were Young
Jenny Was A Friend Of Mine
Smile Like You Mean It
Shot At The Night
Running Towards A Place
Human
Somebody Told Me
Boy
A Dustland Fairytale
Runaways
Read My mind
Dying Breed
Caution
For Reasons Unknow
All These Things That I’ve Done

Spaceman
Just Another Girl
Mr. Brightside

(Visited 189 times, 1 visits today)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *