Dream Festival – 07-12-2019 – São Paulo (Arena Anhembi)

Texto por Evanil Jr. – Fotos por Cristian Chibbas – Edição por André Luiz

E mais uma vez São Paulo pôde conferir a magistral apresentação da banda Dream Theater. O show aconteceu no sábado, 07, na nova Arena Anhembi. Trouxeram consigo a turnê “The Distance Over Time Tour – Celebrating 20 Years Of Scenes From A Memory”, uma tour mais do que especial, afinal o álbum ‘Metropolis Part II: Scenes From A Memory’, lançando em outubro de 1999, trata-se de um dos álbuns mais aclamados desta grande banda. Porém, desta vez os norte-americanos não vieram sozinhos, trouxeram outros grandes nomes do metal os quais integraram o Dream Festival: Reckoning Hour, Turilli/Lione Rhapsody, Sabaton e Killswitch Engage. Foram praticamente oito horas de muito metal e agitação, além do clima agradável, contribuindo para que todo o festival fosse um sucesso.

A banda que abriu o fest foi a carioca Reckoning Hour, formada por JP (vocal), Philip Leader (guitarra), Lucas Brum (guitarra), Johnny Kings (bateria) e Cavi Montenegro (baixo). Mesmo tocando logo após a abertura dos portões, demonstraram que podem vir a ser um grande nome do Metal nacional muito em breve. Fizeram um show com muita energia, promovendo seu mais recente álbum lançado este ano, ‘Beyond Conviction’, do qual foram retiradas todas as faixas executadas no show, com destaque para o single “Away From The Sun” e a faixa derradeira “What Has Gone Wrong”.

Set List Reckoning Hour:
Unity / Shadow Of The World
Scars
Away From The Sun
Above The Fire
The Gathering
What Has Gone Wrong

Logo em seguida, pontualmente às 16h30m, subiu ao palco Turilli/Lione Rhapsody, banda a qual surgiu da divisão do Rhapsody, contando com alguns membros da formação clássica, trazendo o poder do metal melódico ao festival. A formação que subiu ao palco contava com Fabio Lione (vocal), Luca Turilli (guitarra), Dominique Leurquin (guitarra), Patrice Guers (baixo) e Alex Holzwarth (bateria). O mestre de cerimônias Lione, grande conhecido do público brasileiro – afinal é o atual vocalista do Angra – interagiu com o público em um bom português, trazendo todos que ali estavam mais próximos da banda.

Iniciaram a apresentação com a música “Phoenix Rising” do álbum ‘Zero Gravity’ lançado este ano. Logo em seguida, voltaram no tempo com a clássica “Dawn Of Victory” e depois, novamente aos tempos atuais com a faixa que dá nome ao mais recente disco, “Zero Gravity”. Navegaram por vários clássicos a partir de então, como “Land Of Immortals”, “Holy Thunderforce” e o encerramento com “Unholy Warcry”, levando os fãs do estilo ao delírio cantando cada uma das músicas – inclusive outros países, como um grupo da Argentina o qual veio para o festival especialmente para ver Fabio Lione, Luca Turilli e sua trupe.

Set List Turilli/Lione Rhapsody:
Phoenix Rising
Dawn Of Victory
Zero Gravity
Land Of Immortals
The Wizard’s Last Rhymes
Holy Thunderforce
Lamento Eroico
Riding The Winds Of Eternity
Arcanum (Da Vinci’s Enigma)
Unholy Warcry

O festival seguia pontual, às 18h surgiram no palco os suecos do Sabaton, banda a qual traz como tema principal em suas músicas guerras e batalhas históricas dos tempos modernos. O último CD, chamado ‘The Great War’ é um álbum ambientado na Primeira Guerra Mundial, também chamada de A Grande Guerra. A banda é formada por Joakin Brodén (vocal), Tommy Johansson (guitarra), Chris Rörland (guitarra), Pär Sundström (baixo) e Hannes Van Dahl (bateria).

Para iniciar o show, trouxeram a música “Ghost Division” do álbum ‘The Art Of War’ de 2008, na sequência, tocaram a música que leva o nome do último álbum, “The Great War”. As apresentações do Sabaton dispensam comentários. Apesar de não contarem com as explosões e canhões habituais, o visual da banda e o show das luzes – mesmo ainda com o ambiente claro do fim de tarde de sábado – impressionavam. Além do mais, foram executados em sequência grandes clássicos da banda como “Carolus Rex”, “Primo Victoria” e “Swedish Pagans”.

Durante o show do Sabaton, o momento alto foi a música “Smoking Snakes” – sobre a história dos soldados do grupo Cobra Fumantes do Exército Brasileiro que não se entregaram, mesmo perdidos, em plena Segunda Guerra Mundial, lutando até o fim –, faixa cantada em alto som pelo público. E encerraram a apresentação com “To Hell And Back” a qual como a música anterior, integra o álbum ‘Heroes’ de 2014, deixando a legião de fãs dos suecos felizes.

Set List Sabaton:
Ghost Division
The Great War
The Attack Of The Dead Men
Fields Of Verdun
The Last Stand
The Red Baron
Carolus Rex
Primo Victoria
Bismarck
Swedish Pagans
Smoking Snakes
To Hell And Back

Novidade para muitos ali presentes, a banda Killswitch Engage surgiu no palco para seu show, formada por Jesse Leach (vocal), Adam Dutkiewicz (guitarra), Joel Stroetzel (guitarra), Mike D’Antonio (baixo) e Justin Foley (bateria). Os norte-americanos demonstraram um som direto, pesado, com vocais que variavam entre o melódico e gutural, demonstrando o motivo pelo qual a banda encontra-se no seu auge – o último álbum, lançado em agosto deste ano, ‘Atonement’, foi extremamente bem elogiado.

Iniciaram com a faixa “Unleashead” do último álbum. Tanto esta como na seguinte, “Hate By Design”, o som estava estranho, mal se podia ouvir as guitarras, apenas o vocal do Jesse estava claramente audível. A partir de “The Crowless King”, o som foi sendo ajustado e gradativamente melhorando com o passar do show. Após peso atrás de peso, a banda viria com a faixa “I Am Broken Too”, oferecida a todas as pessoas que sofrem com problemas como depressão, sofrimentos, angústias, lembrando-as que não estão sozinhas.

Bastante energético, podia se ver algumas rodas de mosh pit na Arena Anhembi, formando-se com o decorrer das músicas do KSE. Tocaram um set list bem generoso, passando por várias fases de sua carreira, destacando-se músicas como “Rose Of Sharyn”, The Signal Fire”, “My Curse”, entre outras. Para terminar, uma versão própria e bastante pesada da famosa “Holy Diver” do Dio, encerrando uma surpreendente e tentadora apresentação.

Set List Killswitch Engage:
Unleashed
Hate By Design
The Crownless King
My Last Serenade
This Fire
Reckoning
I Am Broken Too
Rose Of Sharyn
As Sure As The Sun Will Rise
In Due Time
The Signal Fire
Always
My Curse
This Is Absolution
The End Of Heartache
Strength Of The Mind
Holy Diver (Dio Cover)

Chegou a vez do headliner do festival, o Dream Theater, banda atualmente formada por John Petrucci (guitarra), John Myung (baixo), James LaBrie (vocal), Jordan Rudess (teclado) e Mike Mangini (bateria), dividindo o show basicamente em dois atos: o primeiro, com músicas do último disco, ‘Distance Over Time’ lançado em 2019, mais algumas músicas do longo da carreira; e o segundo ato, executando na íntegra o álbum ‘Metroples Pt 2: Scenes Of Memory’.

Já nos primeiros acordes da música “Untethered Angel” notava-se que o show estava limpo – diferente do show anterior –, perfeito e os músicos ministravam ali uma verdadeira aula de técnica e entrosamento. Logo em seguida, vieram com “A Nightmare To Remember”, de 2009. Outro clássico tocado foi “In The Presence Of Enemies, Part I” do álbum ‘Systematic Chaos’ de 2007 – além destas, as demais músicas tocadas foram do recém lançado álbum. James até então pouco havia falado com o público, perguntou se todos estavam prontos para as praticamente três horas de show e, na sequência, terminaram o primeiro ato com a música “Pale Blue Dot”.

Após um intervalo, voltaram para a execução do disco que completava 20 anos. O telão mostrava animações as quais acompanhavam a história deste álbum fantástico. As primeiras palavras já na faixa “Regression”, muitos ali já se arrepiaram e sabiam que o que viria em seguida seria algo extraordinário. Com isto, todos cantaram juntos as faixas “Overture 1928” e “Strange Déjà Vu”.

O Dream Theater seguia a execução das músicas com extrema perfeição, praticamente hipnotizando quem estava assistindo. Jordan Rudess se alternava entre o teclado fixo no palco e outro trago pelo seu técnico, para uma interação maior com os fãs – técnico o qua, após a música “Through Her Eyes”, foi homenageado pelo seu aniversário com um bolo no palco, por toda a equipe da banda, além de ter recebido o coro em português vindos da platéia.

Música após música os norte-americanos demonstravam o motivo pelo qual este álbum se tornou um sucesso absoluto. “The Spirit Carries On” por exemplo, arrancou lágrimas de muitos ali, inclusive deste que vos escreve. Terminada a “Finally Free”, um pequeno intervalo para respirar e voltaram com a música “At Wit’s End”, do último álbum, encerrando a apresentação.

Muitos brincam sobre a duração dos shows do DT pois eles possuem inúmeras músicas longas. Mas tenho certeza que se tocassem por mais algumas horas, ninguém perceberia o tempo que passou, pois ali estava o Dream Theater e sua maestria. Seja pela grandiosa performance da atração principal da noite, seja pelas demais bandas do cast do festival, o evento ocorrido na tarde de sábado, 07, na Arena Anhembi foi histórica (agradecimentos à Liberation Music Company e The Ultimate Music Press).

Set List Dream Theater:
Untethered Angel
A Nightmare To Remember
Paralyzed
Barstool Warrior
In The Presence Of Enemies, Part I
Pale Blue Dot

Regression
Overture 1928
Strange Déjà Vu
Through My Words
Fatal Tragedy
Beyond This Life
Through Her Eyes
Home
The Dance Of Eternity
One Last Time
The Spirit Carries On
Finally Free

At Wit’s End

(Visited 246 times, 1 visits today)