Dream Theater – 23-06-2016 – Rio de Janeiro (Vivo Rio)

Dream Theater - RJ - jun-2016 - por Onofre Veras e Eduardo Guimaraes assessoria imprensa Vivo Rio IITexto por Rodrigo Gonçalves – Fotos por Onofre Veras (Eduardo Guimarães assessoria Vivo Rio) – Edição por André Luiz

O Rio de Janeiro foi a terceira cidade a receber o Dream Theater durante a nova turnê brasileira da banda. O grupo americano se apresentou diante de um bom público – mas longe de lotar – no Vivo Rio e fez um show de quase 3 horas de duração. A banda mostrou aos cariocas o seu novo álbum, ‘The Astonishing’, na íntegra. O disco lançado em fevereiro é uma ópera-rock e leva o ouvinte em uma jornada musical de 34 músicas durante a qual a banda relata uma história em um futuro onde a música foi resumida a barulhos de máquinas (NOMACS) e ao mesmo tempo acaba tendo um papel central na revolução iniciada por alguns rebeldes.

Com um atraso de quase 50 minutos para o começo do show – a abertura da casa também aconteceu após o horário estipulado –, Mike Mangini (bateria), Jordan Rudess (teclado), John Myung (baixo), John Petrucci (guitarra) e James LaBrie (vocal) entraram em cena para apresentar um show diferente de tudo aquilo que os cariocas já tinham visto nas seis passagens anteriores da banda pela cidade. Desde o momento em que a banda pisou no palco, ficou claro que o foco era contar a história de forma fiel ao álbum e que tudo foi pensado para que o público pudesse viajar junto com a banda e cair de cabeça na história. Desta forma, por onde a banda tem passado nessa turnê, os shows sempre são com a casa na configuração de teatro e a banda fez questão que o público assistisse o show sentado com o argumento de que a parte visual do show também foi preparada para auxiliar os fãs na compreensão da história, com gigantescos painéis de LED posicionados atrás da bateria.

Dream Theater - RJ - jun-2016 - por Onofre Veras e Eduardo Guimaraes assessoria imprensa Vivo Rio

Embora o som estivesse horrível no começo, em cima do palco as coisas esquentaram rápido dada a empolgação inicial do público com músicas como “The Gift Of Music”, um dos poucos momentos em que a plateia cantou junto. As coisas logo esfriaram e o que prevaleceu foi a música, com a plateia de os olhos grudados no que acontecia no palco e nos telões. Momentos como “A Better Life”, “When Your Time Has Come” e “Brother, Can You Hear Me?” – este último com belíssima interpretação de LaBrie – junto com “Ravenskill” – durante a qual os integrantes foram ovacionados – e “A New Begining” – com Myung e Petrucci levando o público à loucura – foram alguns dos melhores momentos do primeiro ato. Após “The Road To Revolution”, Petrucci sinalizou com as mãos que haveria um intervalo de 20 minutos antes de iniciarem a segunda parte.

O segundo ato foi a parte mais interessante do show. Com músicas mais curtas e o ânimo revigorado, o espetáculo contou com bons momentos de interação instrumentais entre os músicos e ao fim, quando LaBrie deu a benção para que o público finalmente levantasse dos seus assentos e participasse, “A New World” e “Astonishing” fizeram a galera se empolgar quando o relógio já marcava pra lá de meia noite. A banda agradeceu e saiu de cena prometendo voltar o quanto antes.

Dream Theater - RJ - jun-2016 - por Onofre Veras e Eduardo Guimaraes assessoria imprensa Vivo Rio I

Sair de casa para ir em um show do Dream Theater sem a expectativa de ouvir clássicos como “Metropolis”, “Another Day”, “Surrounded”, “The Spirit Carries On” ou ser surpreendido com surpresas como “Space Dye-Vest”, resgatada na última turnê, é certamente algo diferente. O show, em si, não foi ruim. Mas enfrentar uma maratona de quase 3 horas em um dia de semana é tarefa para os fãs mais fervorosos. Em cima do palco, a qualidade dos músicos prevalece e consegue dar liga a um show diferente, baseado em um álbum conceitual com uma história que – na opinião do autor desta matéria – não dá liga ou empolga. Por mais que o novo álbum – novamente na opinião deste autor que vos dirige a palavra – não tenha exatamente caído nas graças do público e tenha se mostrado difícil de digerir, ainda mais ao vivo, é revigorante ver uma banda já estabelecida arriscando e tentando novos caminhos mesmo após mais de 30 anos de carreira. Agradecimentos ao Costábile Jr, Overload e Liberation pela produção e credenciamento de nossa equipe na cobertura do evento, além de Eduardo Guimarães da assessoria do Vivo Rio pelas imagens cedidas deste show.

Set List Dream Theater:
Descent Of The NOMACS
Dystopian Overture
The Gift Of Music
The Answer
A Better Life
Lord Nafaryus
A Savior In The Square
When Your Time Has Come
Act Of Faythe
Three Days
The Hovering Sojourn
Brother, Can You Hear Me?
A Life Left Behind
Ravenskill
Chosen
A Tempting Offer
Digital Discord
The X Aspect
A New Beginning
The Road To Revolution

2285 Entr’acte
Moment Of Betrayal
Heaven’s Cove
Begin Again
The Path That Divides
Machine Chatter
The Walking Shadow
My Last Farewell
Losing Faythe
Whispers On The Wind
Hymn Of A Thousand Voices
Our New World

Power Down
Astonishing

(Visited 35 times, 1 visits today)