Iron Maiden – 17-03-2016 – Rio de Janeiro (Arena HSBC)

Iron Maiden - RJ - mar-2016 - por Meteloco VIIITexto por Rodrigo Gonçalves – Fotos por Meteleco.com – Edição por André Luiz

O Iron Maiden iniciou de forma brilhante a sua mais nova turnê em solo brasileiro. Diante de uma Arena HSBC praticamente lotada, com público estimado de 13 mil pessoas, de acordo com números da própria organização, os britânicos deram o pontapé inicial na etapa brasileira da turnê de divulgação do álbum ‘The Book Of Souls’, lançado em setembro de 2015.

Nas semanas que antecederam o início da turnê brasileira do Iron Maiden, um assunto parecia nortear as conversas dos fãs da banda: misto de curiosidade e preocupação acerca da voz e das condições físicas do vocalista Bruce Dickinson após ter enfrentado (e vencido) uma batalha contra um tipo agressivo de câncer na língua. E bastou apenas uma música para que todas as dúvidas fossem desfeitas e o público carioca caísse em deleite ao ver o seu ídolo se movimentando de um lado para o outro como sempre fez e, o mais importante, cantando absurdamente bem.

Iron Maiden - RJ - mar-2016 - por Meteloco VII

A história do que aconteceu na noite de quinta-feira, 17, no Rio de Janeiro, começou com a apresentação correta da banda The Raven Age, do qual faz parte George Harris, filho do líder do Iron Maiden. O grupo entrou em cena cerca de 20 minutos antes do horário divulgado para o início da sua apresentação, o que fez com que ela fosse presenciada por poucas pessoas, mas que demonstraram boa vontade com a banda do filho do chefão. Em cima do palco, os jovens fizeram um show apenas mediano, em que somente as duas últimas músicas deixaram uma boa impressão.

Pouco tempo depois foi a vez dos veteranos do Anthrax entrarem em cena. O lendário grupo nova iorquino foi a banda convidada pelo Iron Maiden para abrir seus shows nesse giro pela américa latina. O quinteto atualmente está em turnê divulgando seu novo álbum, ‘For All Kings’, lançado a menos de um mês. Com tempo limitado para se apresentar, a banda teve de ser inteligente na escolha do setlist e por isso pôde apenas apresentar ao público brasileiro duas músicas do novo álbum, as excelentes “Evil Twin” e “Breathing Lightining”. Da fase mais recente com Joey Belladonna, o grupo também tocou “Fight ‘Em ‘Til You Can’t”.

Falando em Belladonna, o experiente vocalista foi um dos destaques absolutos do show. Com uma performance vocal de alto nível, o cantor comandou a festa e fez o público agitar em clássicos como “Caught In A Mosh”, que abriu o show, “Got The Time”, “Antisocial”, e “Indians”, quando pediu para que o público fizesse a famosa “wardance” – sendo prontamente atendido –, com os cariocas transformando as duas pistas da arena em um grande mosh. Desfalcados do baterista Charlie Benante, o grupo contou na turnê brasileira com o excelente Jon Dette que não deixou a peteca cair e deu uma aula de ignorância na bateria, contribuindo bastante para que essa, apesar de curta, fosse uma das melhores apresentações do Anthrax em terras cariocas.

Set List Anthrax:
Caught in a Mosh
Got the Time
Antisocial
Fight ‘Em ‘Til You Can’t
Evil Twin
Medusa
Breathing Lightning
Indians

Iron Maiden - RJ - mar-2016 - por Meteloco III

Sem mais delongas, era chegado o momento mais esperado da noite. Com um atraso de pouco mais de dez minutos, as luzes da Arena HSBC se apagaram e a introdução com o clássico “Doctor Doctor” do UFO começou a soar no sistema de som, dando a senha de que o espetáculo estava para começar. Mas permita-me ser sincero com vocês: àquela altura, ninguém fazia ideia do que estava por vir. Um vídeo introdutório e o início apoteótico com a espetacular “If Eternety Should Fail”, serviu para sepultar de vez toda e qualquer dúvida acerca do estado da voz de Bruce Dickinson. A sirene de ataque aéreo já iniciou o show disparando com todos os cilindros e demonstrando que não estava para brincadeira.

A mediana “Speed Of Light” funcionou bem ao vivo e manteve a empolgação alta, antes da banda executar a maravilhosa “Children Of The Damned” da cartola. Reconduzida ao setlist após breve período de ausência, a música se encaixou perfeitamente na proposta do show e contou com solos espetaculares da dupla Murray/Smith.

Retornando ao material do novo álbum, o grupo apresentou a excelente “Tears Of A Clown”, parcialmente inspirada pelo suicídio do ator Robin Williams, em agosto de 2014, época em que estavam escrevendo o novo álbum. Em seguida, foi a vez de “The Red And The Black”. Uma das músicas preferidas dos fãs, ela ganhou dimensões ainda maiores ao vivo, com a banda tocando-a de forma coesa, com grande participação do público, Nicko McBrain largando o braço e com uma performance vocal simplesmente espetacular por parte de Bruce Dickinson. Nem parece que o cara que o acabou de passar pelas provações que passou.

Iron Maiden - RJ - mar-2016 - por Meteloco V

Passeando pelos grandes sucessos da carreira, o grupo executou “The Trooper” – levantando o público, fazendo a arena cantar junto – e “Powerslave” – uma agradabilíssima surpresa. As duas últimas músicas do novo álbum a serem executadas na apresentação foram “Death And Glory” e a faixa título. A primeira, curiosamente, é uma das minhas favoritas, mas de todas as músicas novas que foram tocadas no show, é a que parece ter menos funcionado ao vivo. Já a segunda foi um dos grandes momentos do show, com alto teor de complexidade, evidenciando a qualidade do novo material.

A partir dali, o set list descambou de vez para as velharias que fazem a alegria dos fãs há anos. Temas como “Hallowed Be Thy Name” – também reconduzida ao set list após ficar de fora na última turnê –, “Iron Maiden” e até mesmo a famigerada “Fear Of The Dark”, se encaixaram perfeitamente no repertório, demonstrando que por mais que eu não aguente mais ouvir a terceira ao vivo, ela provavelmente nunca sairá do set list – vide a empolgação do público quando a mesma foi executada.

A segunda parte do show parece ter sido difícil para Bruce Dickinson, pelo menos no lado físico. O cantor passou a se concentrar mais na apresentação, o que melhorou ainda mais a sua já excelente performance vocal, fato evidenciado na volta para o bis, quando o grupo tocou uma trinca de clássicos que parece ter sido talhada para encerrar o show em grande nota: “The Number Of The Beast”, “Blood Brothers” e “Wasted Years”, contrariando uma própria tradição de encerrar o show com músicas mais rápidas e diretas como “Iron Maiden” e “Sancturay”. Nota para os Eddie’s inspirados na arte do mais recente álbum, os quais empolgaram o público presente durantes as duas aparições no palco, além do discurso de Bruce ao receber uma bandeira do Brasil: “tenho visto esta bandeira na CNN e espero que os caras maus se f****, quem quer que sejam”.

Iron Maiden - RJ - mar-2016 - por Meteloco I

Em termos de repertório, admito que pode não ter sido o show com mais atrativos do Iron Maiden que eu já vi. Nesse quesito, pelo menos em minha avaliação pessoal, os shows de 2008 e 2013 seguem sendo imbatíveis. Mas a apresentação desta noite teve algo diferente. Foi grandiosa, contou com um set list que parece ter sido escolhido minunciosamente, levantou o público, fez o grupo apostar em jogo de luzes e ainda mais no lado performático para melhorar a experiência dos fãs.

O Iron Maiden literalmente reinventou o seu show. Para uma banda com tanto tempo de estrada e conhecida por não fugir muito do script em suas apresentações, ter feito isso não foi apenas surpreendente, como também admirável. Aliás, principalmente, o que o show desta quinta-feira demonstrou ao público brasileiro foi uma banda tocando de forma coesa e visivelmente feliz pela oportunidade de estar mais uma vez em cima do palco fazendo aquilo que ama, talvez até pelos momentos de turbulência que atravessaram em um passado recente. Que voltem logo e façam mais shows como esse – a contar pelo disco de platina recebido da Warner Music (nos bastidores do show carioca) pelas vendas em território nacional, isso não deve demorar a acontecer. Agradecimentos à Move Concerts e Midiorama pela produção do evento e credenciamento de nossa equipe.

Set List Iron Maiden:
If Eternity Should Fail
Speed Of Light
Children Of The Damned
Tears Of A Clown
The Red And The Black
The Trooper
Powerslave
Death Or Glory
The Book Of Souls
Hallowed Be Thy Name
Fear Of The Dark
Iron Maiden

The Number of the Beast
Blood Brothers
Wasted Years

(Visited 80 times, 3 visits today)