Testament e Cannibal Corpse – 21-11-2015 – São Paulo (Carioca Club)

Testament - SP - nov-2015 - por Gil OliveiraTexto por André Luiz – Fotos por Gil Oliveira & Costábile Salzano Jr. – Edição por André Luiz

Devastação sonora, aula de death/thrash metal, ou – como diria um amigo carioca – a maior “pedreiragem” do ano em São Paulo. Estas foram algumas das expressões facilmente utilizadas pelos headbangers que lotaram o Carioca Club no sábado (21) após mais de 4 horas de som, em uma noite memorável. No palco, um dos pilares do death mundial, Cannibal Corpse, e o principal representante da essência da bay area, Testament, duas verdadeiras lendas vivas na ativa desfilando um repertório mesclando clássicos oitentistas com petardos de seus mais recentes – e muito bem avaliados por público e crítica – trabalhos, respectivamente ‘A Skeletal Domain’ (2014) e ‘Dark Roots Of Earth’ (2012). O palco escolhido foi o Carioca Club, com sua excelente estrutura e localização, características as quais a tornaram na principal casa de shows de médio porte da cidade em se tratando de eventos de heavy/rock.

A casa possuía metade de sua capacidade tomada quando por volta das 18h a banda de abertura, Genocídio, adentrou ao palco com a intro “Birth Of Chaos” e a faixa inaugural “Kill Brazil”, mais recente single da banda. Formada em 1985, a banda possui em sua discografia três EPs (sendo o EP homônimo um dos mais cultuados até hoje) e sete álbuns de estúdio, o grupo está divulgando o mais recente trabalho, ‘In Love With Hatred’ (2013). A formação atual conta com Murillo Leite (vocal e guitarra), Wanderley Perna (baixo), Rafael Orsi (guitarra) e João Gobo (bateria), velhos conhecidos da cena paulistana que desde sua entrada cativaram o público presente. Destaques para “Cloister”, o cover do Merciful Fate “Come To The Sabbath” e a faixa do debut álbum “The Grave”. Encerraram o show executando “The Clan” exatamente as 18h35m, com 80% da pista tomada e o respeito do público pela ótima performance on stage.

Set List Genocídio:
Birth Of Chaos
Kill Brazil
Transatlantic Catharsis
Encephalic Disturbance
Cloister
Come To The Sabbath (Merciful Fate cover)
The Roar
The Grave
The Clan

Genocidio - SP - nov-2015 - por Gil Oliveira

A transferência do equipamento da Genocídio foi todo pela frente do palco. Ás 19h em ponto Alex Webster (baixo), Paul Mazurkiewicz (bateria), Pat O’Brien (guitarra), George “Corpsegrinder” Fisher (vocal) e Rob Barrett (guitarra) surgiram no palco do Carioca Club, tomaram posse de seus instrumentos e iniciaram o cadenciado petardo “Scourge Of Iron” do ‘Torture’ (2012), para ensandecimento do público, que transformou a pista em um verdadeiro inferno quando a impressionante “Demented Aggression” foi executada na sequência, um mosh pit agressivamente insano (fazendo alusão a segunda faixa do álbum de 2012 executada na noite).

A banda não permitia o benefício da respiração aos presentes, desta forma o público bradou a plenos pulmões em “Evisceration Plague”, faixa título do álbum de 2009 a qual ditou o ritmo dos presentes com seu riff cadenciado e refrão grudento. Exato, o termo cadencia sendo repetido, afinal de contas, a banda formada na cidade de Buffalo, EUA, em 1988, a qual possui apenas baixista e baterista presentes desde a primeira line up, esta com uma formação estabilizada desde 2005 – quando Barret retornou a banda no lugar do membro fundador Clive Owen – e têm evoluído sonoramente desde então a cada álbum. Evolução mas sem esquecer as raízes, e desta forma o hino do death mundial “Stripped, Raped And Strangled” (‘The Bleeding’, 1994) foi bradado a plenos pulmões em uníssono pelo empolgado público o qual em um alucinado wall of death demonstrou a força ao vivo deste clássico lançado 22 anos atrás.

Cannibal Corpse - SP - nov-2015 - por Gil Oliveira

E de forma ininterrupta os norte americanos continuaram o desfile de petardos: “Disposal Of The Body” e a empolgante “Sentenced To Burn” do ‘Gallery Of Suicide’ (1998); a trinca do álbum mais recente com o single “Kill Or Become”, uma das melhores músicas de 2014 “Sadistic Embodiment” que trouxe a tona o inferno à pista do Carioca Club e “Icepick Lobotomy”; a faixa título do álbum de 2004 “The Wretched Spawn”. Àquela altura, muito embora os instrumentistas de forma geral permanecessem mais estatísticos no palco, impressionava quanto o frontman despejava de energia com a veia saltando ao pescoço (NOTA DO EDITOR: este foi o quarto show da banda que presenciei sendo o primeiro em 2004, e a comparação do headbanging de George Fisher a uma hélice de helicóptero permanece atual).

A partir de “Dormant Bodies Bursting” (‘Gore Obsessed’ de 2002) a banda deu início ao desfile de principais clássicos e faixas indispensáveis no set list da banda. “Uma música de amor” anunciou George Fisher antes do hino “I Cum Blood” do inóspito terceiro álbum do Cannibal ‘Tomb Of The Mutilated’ (1992), seguida por “Unleashing The Bloodthirsty” do álbum de 1999 a qual foi bradada em alto e bom som pelos presentes. O wall of death foi iminente quando ouviram-se os primeiros acordes de “Make Them Suffer”, petardo do ‘Kill’ (2006), a mais bem recebida pelo público dentre as faixas mais recentes da banda.

Cannibal Corpse - SP - nov-2015 - por Gil Oliveira I

Vamos falar de clássicos? “A Skull Full Of Maggots” do debut album da banda de 1990, “Hammer Smashed Face” de 1992, dois hinos atemporais da fase Chris Barnes, e o encerramento com “Devoured By Vermin”, do primeiro álbum com Mr. Corpsegrinder nos vocais, ‘Vile’ de 1996. Uma aula, simplesmente desta forma resume-se a performance presenciada no Carioca Club, muito embora confesso ter sentido falta de músicas como “Staring Through The Eyes Of The Dead” e “The Time To Kill Is Now”. Trata-se de tarefa quase impossível agradar a todos quando se tem uma ampla discografia construída ao longo de 28 anos de carreira, por esta lenda vida do DM mundial a qual considero ao lado do Death o principal nome do estilo na história.

Set List Cannibal Corpse:
Scourge Of Iron
Demented Aggression
Evisceration Plague
Stripped, Raped And Strangled
Disposal Of The Body
Sentenced To Burn
Kill Or Become
Sadistic Embodiment
Icepick Lobotomy
The Wretched Spawn
Dormant Bodies Bursting
I Cum Blood
Unleashing The Bloodthirsty
Make Them Suffer
A Skull Full Of Maggots
Hammer Smashed Face
Devoured By Vermin

Retornando ao país com a turnê mundial que divulga o bem-sucedido álbum ‘Dark Roots Of Earth’ (2012), Chuck Billy (vocal), Eric Peterson (guitarra), Alex Skolnick (guitarra), Steve Di Giorgio (baixo) e Gene Hoglan (bateria) surgiram no palco do Carioca Club (completamente tomado pelo público) exatamente às 20h50m, com o petardo “Over The Wall”, do clássico álbum de estréia ‘The Legacy’ (1987), levando os presentes a loucura com um dos refrões mais conhecidos do thrash metal mundial. ‘Are you ready to “Rise Up” São Paulo?’ bradou o frontman, anunciando a faixa inaugural do mais recente álbum, com uma interação impressionante entre Chuck e público durante o pegajoso refrão. O show não podia parar, e emendando a terceira faixa seguida, o hino do álbum ‘The New Oder’ (1988) “The Preacher” trouxe o caos à pista regado aos acordes marcantes de uma das principais músicas da discografia da banda.

Os fundadores da bay área finalmente fizeram sua primeira (porém rápida) pausa, durante a qual Billy agradeceu ao público e anunciou a faixa seguinte, “Henchmen Ride” (2008), seguida pela pegada death metal nos vocais de “Dog Faced Gods” do álbum ‘Low’ (1994), “Native Blood” (2012) e o duo do ‘The Gathering’ (1999) formada pela sensacional “Legions Of The Dead True” com seu riff conclamando a intensidade do mosh pit na pista e a mais cadenciada “True Believer”.

Testament - SP - nov-2015 - por Gil OliveiraI

A banda californiana foi formada em 1983 na cidade de Berkeley. Eric Peterson é o único presentes desde a primeira line up, porém como Chuck Billy assumiu apenas três anos mais tarde os vocais no lugar de Steve Souza (aquele mesmo do Exodus), pode-se afirmar que ambos são os únicos que participaram de todos full albuns do grupo. Outra marca do Testament trata-se da rotatividade de músicos, fora os dois citados, os demais integrantes já estiveram presentes anteriormente no grupo norte-americano em uma ou mais ocasiões. Mas toda esta história acaba sendo registrada mesmo é pelos clássicos, e desta forma “Into The Pit” (1988) surge no palco transtornando a casa de shows, trazendo a tona um grande wall of death no meio da pista.

“Nós gostamos de São Paulo porque vocês praticam o que pregam” bradou Billy, anunciando uma das (senão a mais) conhecidas músicas do Testament, “Practice What You Preach”, do álbum homônimo de 1989, um hino atemporal cantado em uníssono pelos presentes. Outra faixa que dá nome a um disco foi executada, desta vez “The New Order” (1988), demonstrando o quão técnica esta line up pode ser sem perder a presença de palco. Para exemplificar esta afirmação, como havia citado o Death anteriormente, no palco havia 50% da formação que lançou o clássico álbum ‘Individual Thought Patterns’, com Di Giorgio e Hoglan (porém um Chuck diferente ao lado destes…).

A performance seguiu com mais duas faixas do ‘The Gathering’, a empolgante aula de riffs “D.N.R. (Do Not Resuscitate)” e “3 Days In Darkness”, completando a quadra de músicas deste álbum que marcou pelos vocais de Chuck mais próximos de uma pegada death metal. O final se aproximava, e do segundo álbum dos californianos seguiram com outro hino do thrash metal mundial, “Disciples Of The Watch”, bradada a plenos pulmões pelos headbangers que se degladiavam na pista do Carioca Club. Encerrando de forma prematura o show devido ao horário (já que haveria outro evento na casa de shows, desta forma “The Formation Of Damnation” não foi executada), o petardo de 2008 “More Than Meets The Eye” trouxe aos presentes o resumo do atual Testament: um som atual, com riffs marcantes e solo de guitarra técnico, vocais rasgados e passagens melodiosas que grudam na mente do ouvinte, mas sem perder a essência de seus primórdios.

Testament - SP - nov-2015 - por Costabile Jr The Ultimate Music

Assim como no caso do Cannibal, uma banda com 32 anos de história agradar a todos em um set list trata-se de tarefa árdua, porém músicas como “Souls Of Black” e “Trial By Fire” claramente fazem falta em um set list do grupo (os mais saudosistas como eu ainda citariam “Alone In The Dark e “Burnt Offerings”). De qualquer forma, a lição foi dada no palco do Carioca Club, e logicamente, por vários anos continuará se proliferando a repetição do gesto de Chuck com seu microfone em mãos fazendo alusão a uma guitarra imaginária, porque isto é a essência do thrash bay área, esta foi a demonstração on stage de uma banda que não precisa usar um rótulo como o ‘big four’ para dizer que faz parte da história. Agradecimentos à Liberation pela produção do evento e Costábile Jr. pelo credenciamento de nossa equipe.

Set List Testament:
Over The Wall
Rise Up
The Preacher
Henchmen Ride
Dog Faced Gods
Native Blood
Legions Of The Dead
True Believer
Into The Pit
Practice What You Preach
The New Order
D.N.R. (Do Not Resuscitate)
3 Days In Darkness
Disciples Of The Watch
More Than Meets The Eye

(Visited 101 times, 1 visits today)