Lamb Of God – VII: Sturm Und Drang

Lamb Of God - VII-sturm-und-drang

Lamb Of God – VII: Sturm Und Drang
CD – Nuclear Blast (2015)

Texto por Allan Barata – o conteúdo expresso reflete a opinião do autor, é de inteira responsabilidade deste
Edição por André Luiz

Três anos e meio depois de ‘Resolution’, os americanos do Lamb Of God reaparecem dominantes no cenário do metal com o excelente ‘VII: Sturm Und Drang’, seu sétimo álbum de estúdio – assim como o nome sugere. A mistura particular de Groove e Heavy metal da banda vem trazendo frutos há décadas, gerando reconhecimento e aparições em grandes festivais – tal como o Rock In Rio deste ano.

Entretanto, ‘VII: Sturm Und Drang’ mostra ser o trabalho mais destoante e criativo da line up intocável, seguindo a linha deixada pelo ‘Resolution’. Faixas como “Embers”, contando com participação de Chino Moreno, a derradeira “Torches”, com riffs pesados e lentos, e a imperiosa “Overlord”, com Randy Blythe fazendo clean vocals ao som de um instrumental que se aproxima do grunge de Alice in Chains, mas que explode violentamente aos 3m28s, demonstram uma evolução implacável no vigoroso som do Lamb Of God.

Para os headbangers mais castos e conservadores, ainda podemos ouvir – e bem – o antigo LoG nas esmagadoras “512”, “Anthropoid” e na epítome da agressão contida no álbum, “Delusion Pandemic”. Apesar de não ouvirmos claramente momentos de brilhantismo solo nos drum lines de Chris Adler, tal como na abertura de “Set To Fail”, ou riffs bem chamativos de Mark Morton e Willie Adler, como durante o álbum ‘Ashes Of The Wake’, abrir a mente é necessário para ver a progressão inegável do Lamb Of God.

Após 48 minutos de ‘VII: Sturm Und Drang’, excluindo “Wine And Piss” e “Nightmare Seeker”, as bônus da versão deluxe, duas coisas são certas: é o melhor álbum da banda em questão de criatividade (um dos melhores de metal em 2015, até agora) e quem os for assistir no Rock In Rio ou em São Paulo, em Setembro, verá um Lamb Of God ministrando palestras sobre como inovar seu som e permanecer um gigante do metal. Melhor música: “Overlord” – Pior música: “Engage The Fear Machine”.

Integrantes:
Randy Blythe – vocal
Mark Morton – guitarra
Will Adler  – guitarra
John Campbell – baixo
Chris Adler  – bateria

Faixas:
01- Still Echoes
02- Erase This
03- 512
04- Embers
05- Footprints
06- Overlord
07- Anthropoid
08- Engage the Fear Machine
09- Delusion Pandemic
10- Torches
11- Wine And Piss (bonus track)
12- Nightmare Seeker (bonus track)

Confira abaixo o vídeo clipe de “Overlord”, mais os áudios de “Embers” e “Erase This”:

(Visited 58 times, 1 visits today)