Marduk – 18-04-2015 – São Paulo (Clash Club)

Marduk - SP - abr-2015 - por Fernando Alves_MG_3404

Texto por Juliana Novo – Fotos por Fernando Alves – Edição por André Luiz

Os monstros sagrados do Black Metal sueco chegaram mais uma vez no Brasil, para divulgação de seu recente trabalho de estúdio intitulado Frontschwein, lançado em 2015, demonstrando que continuam brutais e criativos. A Clash Club recebeu um bom público para performance dos suecos, mas a noite também reservava boas apresentações de bandas nacionais.

Os paulistas do In Soulitary foram os primeiros a se apresentarem, divulgando o álbum Confinement. Demonstraram um thrash/death melódico com riffs de guitarra poderosos e linhas de teclado interessantes, que me lembraram um pouco Soilwork. O vocalista Marcel Briani mostrou grande presença de palco, agradando os presentes. O que me chamou a atenção foi terem encaixado nesta noite uma banda numa linha bem diferente da banda principal.

Já os cariocas do Castifas mostraram um black metal old school muito intenso, com riffs bem trabalhados, baixo destacado e o vocal infernal de Hoertel, que foi empolgando o público que chegava.  O grupo está em tour de divulgação de seu novo álbum, intitulado Bloodlust and Hate.

 

Marduk - SP - abr-2015 - por Fernando Alves_MG_3455

Os suecos do Marduk entraram no palco com muito vigor, começando com a faixa-título do novo álbum “Frontschwein”, seguido de “The Blond Beast”, que tem uma levada cadenciada interessante. A aquela altura, o Clash Club já estava com um público bem maior, que gritava o nome da banda. Seguiram a destruição sonora com “Slay The Nazarene” e “The Levelling Dust”. Voltaram ao álbum de divulgação com a majestosa “Wartheland”, e depois continuaram a tocar clássicos como a faixa título do álbum “Serpent Sermon”, o clássico do World Funeral “Cloven Hoof” e “Burn My Coffin” numa linha mais direta.

Dando sequência ao massacre, executaram a insanamente rápida “Into Utter Madness”, “Womb of Perishableness” para dar uma calmaria com uma pegada mais cadenciada, e a bastante agressiva “Warschau”. Uma pena que a banda não tocou o ‘bis’ que estava programado, apenas deixaram o palco após a grandiosa música “The Black”, e então rolou um ‘outro’ com cara de intro que fez o pessoal esperar, mas acabaram não retornando ao palco, deixando o público na vontade. Agradecimentos à Damar e Cronos pela produção do evento e Costábile Jr. pelo credenciamento de nosso veículo.

(Visited 43 times, 1 visits today)