Bruce Dickinson na Campus Party Brasil 2014

Bruce Dickinson Campus Party BrasilFoto: Campus Party Brasil

Bruce Dickinson, vocalista da banda Iron Maiden, foi a principal atração da Campus Party Brasil 2014, evento de tecnologia o qual reune o qual centenas de atividades sobre Inovação, Ciência, Cultura e Entretenimento Digital. Em uma palestra concorrida, o “palestrante” britânico abordou o tema empreendedorismo, seja frente a maior banda de heavy metal do mundo, seja comandando empresas na área de aviação. Confira palestra na íntegra através do vídeo abaixo.

MATÉRIAS RELACIONADAS A PALESTRA DE BRUCE DICKINSON NA CAMPUS PARTY BRASIL 2014

UOL Economia por Afonso Ferreira ( íntegra da matéria em http://economia.uol.com.br/empreendedorismo/noticias/redacao/2014/01/28/empresarios-devem-pensar-fora-da-caixa-diz-vocalista-do-iron-maiden.htm)

O astro afirmou que a banda já não lucra tanto com a venda de CDs. “Hoje, qualquer um pode copiar as músicas da banda ou baixá-las da internet gratuitamente.” No entanto, ele disse que sua estratégia é criar boas músicas para conquistar novos fãs e, com isso, lucrar com outros produtos, como camisetas, cerveja e outros itens licenciados. “Nós não criamos músicas para ganhar dinheiro, mas sim para conquistar fãs. Eles são fieis e são os verdadeiros consumidores da banda. Conquistando fãs, garantimos a continuidade de nosso trabalho.”

Ao citar a forma como administra os negócios da banda, Dickinson afirmou que, para se ter sucesso no mundo empresarial, é preciso inovar. “O empresário precisa pensar fora da caixa para oferecer novidades ao cliente.”

Adnews por Leonardo Araújo ( íntegra da matéria em http://www.adnews.com.br/negocios/cpbr7-as-licoes-de-bruce-dickinson)

“Um consumidor sempre tem a escolha”, explica. Bruce diz que as marcas precisam se espelhar nas bandas. No momento de crise do mercado fonográfico, no início da década de 2000, membros da indústria começaram a taxar os fãs como consumidores. Como? Quem baixasse música era taxado de criminoso. “Eles diziam ‘Os nossos fãs estão roubando nossa música porque eles nos amam. Cadeia neles!’. Isso não faz sentido”, explica Bruce.

Já as bandas – em sua maioria – descobriram que o fato do fã baixar sua música não significava que ele odiava sua obra, é exatamente o contrário. É aí que mora a diferença. As grandes empresas, segundo Bruce, devem criar fãs e não consumidores, como as gravadoras fizeram. Mas o vocalista alerta. “Se a gente vende uma camiseta do Iron Maiden que cai aos pedaços quando você usa, nossos fãs rapidamente se tornam consumidores”, exemplifica. É preciso cuidado com sua marca.

(Visited 59 times, 1 visits today)