Morbid Angel – 25-05-2013 – Curitiba – PR (Music Hall)

02

Texto e fotos por Clovis Roman

Uma das maiores bandas do Death Metal se apresentou pela primeira vez em Curitiba, numa noite fria de sábado, no Music Hall. O público presente em boa quantidade viu uma banda que mostrou o que fez de melhor. Foram apresentados, basicamente, os grandes clássicos de sua carreira – houve pouco espaço para músicas de seu último disco, o polêmico Illud Divinum Insanus. Deste, vieram duas das mais brutais e menos experimentais: “Nevermore” e “Existo Vulgoré”.

A abertura ficou por conta do Jailor, bandas local na ativa desde 1998, que focou seu setlist em composições inéditas, deixando pouco espaço para o material de seu único CD até o momento: Evil Corrupts – dele, apenas a faixa título foi executada. Entre as músicas ainda não gravadas, destaque para a abertura “The Need Of Perpetual Conflict”, que estreou ao vivo no longínquo ano de 2006. Ainda houve tempo para uma cover do Slayer, que sempre aparece nas apresentações da banda – “Angel Of Death” foi dedicada ao recém falecido guitarrista da banda americana, Jeff Hanneman.

Chegada a hora da atração principal, sobe ao palco o quarteto, que conta atualmente com dois membros da formação clássica: o guitarrista Trey Azagthoth e o baixista e vocalista David Vincent. Completam a banda o guitarrista Destructhor, que entrou em 2008, e o novato Tim Yeung, que tem a responsabilidade de substituir a lenda Pete Sandoval, afastado por problemas de saúde. A abertura veio com o clássico supremo “Immortal Rites” (do Altars Of Madness), já seguida de “Fall From Grace”, com seu início cadenciado que depois vira uma pancadaria violenta. Considerando os últimos setlists apresentados, o público curitibano pode se considerar privilegiado, afinal, aqui foi executada “Day Of Suffering” – ela não esteve presente em nenhum outro show pelo Brasil. Com rápidas falas do frontman David Vincent, o Morbid Angel não deu trégua, mandando uma sequência alucinante de clássicos: “Rapture”, “Maze Of Torment” e “Sworn To The Black” deram continuidade ao massacre.

O baterista Tim Yeung (que também passou por grupos como Vital Remains e Hate Eternal) se mostrou uma escolha acertada para substituir Pete Sandoval, pois toca com velocidade e precisão absurdas. Na linha de frente, Destructhor, já consolidado na formação atual do Morbid Angel, tocou com sobriedade, fazendo inclusive diversos solos, mostrando que não é apenas um músico contratado. Mas no quesito “seis cordas”, Trey Azagthoth é insuperável. Sua presença é marcante por si só, e ele ainda destila solos e riffs soberbos, mostrando porque é a mente criativa da banda.

A atual turnê visa divulgar o disco “Illud Divinum Insanus”, mas o fato é que pouco dele foi apresentado, e de maneira sucinta. Primeiro, “Existo Vulgoré”, e depois “Nevermore” – esta, já conhecida, pois esteve presente nas duas últimas passagens deles pelo Brasil (09 e 11). Depois, o grupo voltou ao material antigo, principalmente o gravado com Vincent nos vocais. E o público não parou de agitar com composições como “Lord Of All Fevers And Plague”, “Blood On My Hands” e a caótica “Blood On My Hands”, sem contar a dobradinha “Dawn Of The Angry” e “Where The Slime Live”, do disco Domination.

Algumas bandas como Judas Priest e Black Sabbath atualmente estão com seus vocalistas originais, e não tocam composições gravadas quando estes estiveram fora. O Morbid Angel – mesmo que tenha sido apenas uma música – lembrou da fase Steve Tucker (que gravou 3 discos) e tocou “Bill-Ur Sag”, do excelente Formulas Fatal To The Flesh. Já para o encerramento, a banda mandou a macabra “God Of Emptiness”, outro grande clássico, cujo clipe foi bastante veiculado em programas especializados da MTV na década de 90.

A despeito da polêmica gerada pelo último disco – que contém experimentos com música industrial que desagradaram alguns – e pelo fato de não contar com a lenda Pete Sandoval, o Morbid Angel mostrou que ainda é um dos nomes mais importantes do Death Metal – o título do flyer de

divulgação, que os denominava como “Os deuses do Metal extremo” não poderia estar mais certo.

Setlist:

Immortal Rites

Fall From Grace

Day of Suffering

Rapture

Maze of Torment

Sworn to the Black

Blasphemy of the Holy Ghost

Existo Vulgoré

Nevermore

Lord of All Fevers and Plague

Chapel of Ghouls

Dawn of the Angry

Where the Slime Live

Bil Ur-Sag

Blood on My Hands

God of Emptiness

(Visited 70 times, 1 visits today)