Satyricon – 06-11-2011 – São Paulo – SP (Hangar 110)

Por Leandro Cherutti
Fotos Leandro Cherutti

A primeira vez a gente nunca esquece! Foi em uma fresca noite de domingo, 06 de novembro, que a renomada banda norueguesa de Black Metal, Satyricon, formada por Satyr (vocal) e Frost (bateria) se apresentou pela primeira vez em solo tupiniquim. Com uma longa e bem sucedida carreira, a banda vem recrutando uma legião de súditos pelo o mundo a fora. E o que vimos nos arredores da casa Hangar 110 não foi diferente. Fãs de diversas partes do Brasil vieram prestigiar este grande ícone da música extrema.

Uma extensa fila se formou do lado de fora, até que a casa tivesse a suas portas abertas, o que ocorreu por volta das 20h15. A ansiedade era grande e notada na fisionomia de todos, mas o show atrasou. Causando inquietação e nervosismo.

Finalmente por volta das 22h15, o jejum de 21 anos se quebrou. O caos teve seu início com um clássico do álbum Volcano, “Repined Bastard Nation”, muito ovacionada e cantada por todos. Na seqüência tivemos “The Wolfpack” do não tão recente cd The Age of Nero de 2008, e a faixa foi muito bem aceita pelos fãs.

O show estava intenso e com os músicos de apoio Steinar “Azarak” Gundersen (guitarra), Gildas Le Pape (guitarra) e Silmaeth (baixo) bangueando como loucos, o que acabou sendo um show a parte. A terceira música a ser executada foi à maravilhosa “Now Diabolical”, a qual teve seu refrão entoado fervorosamente. Outro hit muito esperado foi “Forhekset”.

Satyr possui um domínio incrível sobre o eufórico público, sabendo como ninguém conduzí-los. A todo o momento o vocalista interage muito com seus seguidores, criando um clima mais que intimista no evento. A grande noite teve continuidade com “The Black Crow On A Tombstone” e com as aguardas “Walk The Path of Sorrow” do magnífico álbum Dark Medieval Times e “Filthgrinder”.

O som da casa esteve excelente, e Satyr sempre comunicativo convocou a faixa “Commando”. Em “The Pentagram Burns” foi à vez de Satyr assumir uma guitarra branca, e mostrar todo o seu talento como guitarrista. O espetáculo contou também com os ícones “Possessed”, “Du Som Hater Gud” do aclamado disco Nemesis Divina, seguida de “The Sign Of The Trident” e “Hvite Krists Død” com sua letra cantada em norueguês. Este foi o sinal que já estávamos nos encaminhando pra o fim.

Após um curto intervalo, Satyr e sua trupe retornaram ao palco e logo trouxeram a esplêndida “K.I.N.G” em seguida o vocalista pediu a atenção de todos para dizer que mesmo não falando português, apenas inglês e norueguês, frisa ele, ele podia ver em cada face a sua frente o quanto seus fãs estavam gostando daquele momento e que aquilo para ele era uma sensação incrível. A penultima música foi“ Fuel For Hatred”. Neste momento a banda encenou o encerramento do espetáculo, Frost foi visto pela primeira vez ao se despedir dos fãs ao lado dos outros músicos. Mas a noite ainda não estava completava, faltava um som. O que promoveu uma enorme manifestação clamando pela faixa que é considerada um hino do Black Metal “Mother North”!

Pois bem, como um maestro regendo sua orquestra, Satyr comandou um arrepiante coro, durante um minuto e vinte segundos da linda canção. Sem duvidas foi o ápice do show, deixando a todos saciados.

E foi assim, para um público aproximado de 450 fanáticos, que o Satyricon realizou sua primeira apresentação no Brasil. O único ponto negativo foi o grande atrasado, prejudicando centenas de fãs que dependiam de transporte público para se locomover, que trabalhariam na segunda-feira, e aos de outros estados, que viajariam após o termino do evento.

Set list Satyricon

Repined Bastard Nation
The Wolfpack
Now Diabolical
Forhekset
Black Crow on a Tombstone
Walk the Path of Sorrow
Filthgrinder
Commando
The Pentagram Burns
Possessed
Du Som Hater Gud
The Sign Of The Trident
Hvite Krists Død

Encore:
K.I.N.G.
Fuel for Hatred

Encore 2:
Mother North

Confira os vídeos do show do Satyricon:

(Visited 76 times, 1 visits today)