Flametal – Flamenco Meets Metal

por Thiago Rahal
Agradecimentos por ajudar a construir o nome do website

Todo jornalista seja ele de qual área for deve por obrigação ter um pouco de curiosidade, pois sem ela como os tais iriam buscar novidades ou descobrir casos novos para contar ao grande público? Pois bem, eu como jornalista cultural ou como queiram musical, sempre saio por aí procurando bandas obscuras e novidades que aparecem pelo mundo e no Brasil. Alguns poderiam perguntar-se, mas como ele consegue essas bandas? A resposta é simples: comprando discos por indicações de amigos ou lojistas e até mesmo baixando músicas na Internet, sim eu baixo, mas depois compro e ajudo a divulgar, acho que nesse caso ocorre uma troca de favores, pois talvez sem essas minhas pesquisas pela rede, não teria encontrado esta banda que pra mim é uma das maiores revelações do Heavy Metal.

O grupo Flametal, vindouro dos Estados Unidos, mais precisamente da cidade de Berkeley chamou a atenção ao introduzir um estilo que estava meio esquecido na musica pesada, o Flamenco. Alguns grupos misturam elementos típicos de seus paises, como exemplos, as bandas Angra e Sepultura no Brasil, Avalanch e Mago de Oz na Espanha, Six Magics no Chile, entre outras. Mas, apesar destas bandas usarem desse artifício, o Flametal uma banda americana, realizou diversas pesquisas e decidiu encorporar este estilo originalmente espanhol. Capitaneado por Benjamin P. Woods (Flamenco Guitar, Electric Guitar, Cajon, Metal Vocals) e líder do Flametal, o experiente músico e com uma técnica impressionante no violão de 12 cordas, conseguiu juntar o que parecia impossível, Heavy Metal com Flamenco e ainda por cima, com vocais guturais. Com músicos de pouco renome, mas de grande técnica tais como, Angeline Saris (Baixo), Brian “Lazer” Spalding (Electric Guitar), Tomas “The Hammer” Perry (Drums) e dois membros que só se apresentam ao vivo, Fanny Ara (Claps, em português, palmas) e Mellisa Cruz (Claps, em português, palmas).

Em 2005, os americanos lançaram seu álbum de estréia sem nenhuma divulgação que merecesse destaque, mas The Elder recebeu ótimas criticas de algumas pessoas da imprensa e fez muito sucesso principalmente no Japão, conseguindo assim uma pequena turnê em terras nipônicas. Lançado de forma independente, a primeira prensagem de “The Elder”, contava com as seguintes músicas. Em ordem: 01 – The Elder/ 02 – Silencio, Escobilla/ 03 – Red Cobblestone/ 04 – Bruja Tortura/ 05 – P’alla Al Inferno Vas/ 06 – The Summoning/ 07 – Cuatro Caballeros e 08 – Journey Into Fear. Após este sucesso repentino no Japão e em alguns paises na Europa, além é claro nos Estados Unidos, a gravadora Powerslave Records gostou do projeto e lançou The Elder novamente no mercado, desta vez remasterizado e com algumas partes regravadas o disco contou com as seguintes faixas. Em ordem: 01 – Bruja Tortura/ 02 – Anda Jaleo/ 03 – The Elder/ 04 – Cuatro Caballeros (Instrumental)/ 05 – Silencio/escobilla (Instrumental)/ 06 – Red Cobblestone/ 07 – Into Fear (Instrumental)/ 08 – P’alla Al Infierno Vas/ 09 – The Summoning/ 10 – Uno Abajo (Instrumental)/ 11 – Tarantula (Instrumental)/ 12 – Skeleton Elder (Instrumental). O disco ainda ganhou dois vídeos clipes que circulam no Youtube e são eles: The Elder e Anda Jaleo.

Prestando atenção na sonoridade de The Elder, vemos uma banda com mais entusiasmo e querendo mostrar para o mundo o quão diferente e original ela é. Mesclando passagens no famoso violão de 12 cordas espanhol, com riffs pesados e às vezes com grandes influências de Judas Priest, Iron Maiden e bandas de Thrash Metal da Bay Area o Flametal criou algo único. Benjamin Woods não se segurou e cantou de forma diferente, um vocal gutural não muito técnico, mais gritado, criando assim uma sonoridade intricada e complicada de se escutar no começo de sua audição.

Agora em 2008, o grupo volta com um novo álbum. “Master of the Aire”, também com lançamento da Powerslave Records e desta vez, com bônus tracks somente ao mercado japonês, o Flametal mostrou um som maduro e com maior participação das influências espanholas. O disco contou com as seguintes faixas. Em ordem: 01 – Master of the Aire/ 02 – Seguiriyas/ 03 – Strange Rails/ 04 – Nightwalkers/ 05 – The Curse/ 06 – Istvan/ 07 – La Cuenta/ 08 – Left Hemisphere/ 09 – Peteneras/ 10 – The Swarm/ 11 – M.O.T.A. Reprise/ 12 – Yamato (Bonus Track)/ 13 – No Quarter (Bonus Track). Algumas músicas se destacam, dentre elas a versão para No Quarter do Led Zepelin, uma canção que se encaixou perfeitamente ao estilo Flamenco de ser. A canção “Nightwalkers” mostrou guitarras à Iron Maiden e se mostrou uma das mais cativantes do disco. Outros destaques vão para as músicas “Istvan”, “La Cuenta” e “Strange Rails”.

Em tempos de MP3 e divulgações via Internet, o Flametal liberou a audição de seus dois discos no site oficial. Para quem quiser conhecer mais sobre o trabalho desta banda, entre no web site www.flametal.com.
Se você conhece bandas que buscam sonoridades diferentes e/ou sons típicos de seus paises, favor entrar em contato comigo, pois acredito muito na originalidade e gostou de divulgar sempre que possível.

(Visited 64 times, 1 visits today)