09/11/2006 - por Thiago Rahal
Agradecimentos a Bruno Leandro (webmaster www.andreaskisser.com)

Lançamento de álbum conceitual, saída de Iggor Cavaleira e entrada de Jean Dolabella, tour mundial, um dos headliner's do Live 'n' Louder Rock Fest, rumores sobre retorno da formação clássica, este é o Sepultura, maior nome do heavy metal brasileiro de todos os tempos. Em meio a tour brasileira do Dante XI e a gravação de seu álbum solo intitulado Hubris, o guitarrista Andreas Kisser conversou de forma exclusiva com o Website Metal Revolution sobre as situações que perduram no ambiente da banda.

Thiago Rahal - "Dante XXI" já tem alguns meses de seu lançamento oficial. O álbum obteve os resultados esperados por você, tanto no Brasil quanto na Europa e EUA?
Andreas Kisser -
Sem dúvidas, até melhor do que eu esperava, foi muito bem aceito pela crítica e pelos fãs, principalmente nos shows que estamos fazendo a receptividade tem sido muito boa.

Thiago - Qual o ponto em que você destaca como a maior evolução da banda, do Roorback até o Dante XXI?
Andreas -
Em todos os discos tivemos uma evolução, acho que é uma coisa natural, acho que quando você faz alguma coisa nova, diferente, você naturalmente está evoluindo.

Thiago - Alguns instrumentos não muito comuns para a banda foram utilizados no novo álbum. Quem teve a idéia de colocá-los no disco? A banda sentiu necessidade de tocar algo novo, para não ficar estagnada em estilo só?
Andreas -
Isso é comum na história do Sepultura, sempre procuramos algo novo para explorar. As idéias vieram do livro e das experiências que eu tive fazendo trilhas sonoras para filmes brasileiros.

Thiago - Como são os processos de criação e gravação dos álbuns do Sepultura? A banda se reúne integralmente e a partir daí, começa a criar algo ou cada um mostra idéias diferentes?
Andreas -
Tem de tudo, não existe regra… Muita coisa trouxe de casa, do meu estúdio, mas no final a gente vai tocando e cada um coloca as suas idéias...

Thiago - A banda gravou o vídeo clipe para música "Convicted in Life", muito bem feito diga-se de passagem, e recentemente ganhou dois prêmios no VMB 2006. Este tipo de mídia é interessante para o Sepultura, ou a banda faz clipes musicais só para os fãs curtirem as músicas de formas diferentes?
Andreas -
Os dois, acho que a mídia é muito interessante, pois divulga o seu trabalho, e lógico para os fãs curtirem.

Thiago - Quais músicas novas se saíram melhores ao vivo? Como são escolhidas as canções para cada tour e/ou cidade?
Andreas -
Todas estão se saindo muito bem, com destaque para "Ostia" e "False"… A gente discute o setlist e vai mudando de acordo com o país, ou a nossa vontade mesmo… Tudo muito livre.

Thiago - Eu sei que você já deve ter respondido inúmeras vezes sobre a saída de Iggor Cavaleira, mas como o caso ainda é recente, gostaria de saber como foi para você este acontecimento? E os fãs, as relações entre a banda e eles
melhoraram ou pioraram com a troca de baterista?
Andreas -
Ele saiu e o Jean esta fazendo um trabalho excepcional. A relação com os fãs está muito boa, dando apoio a continuação da banda...

Thiago - Iggor Cavaleira disse ao jornal Estado de S. Paulo que existe um acordo entre ambas as partes de que ao final da turnê do "Dante XXI", a banda deveria acabar ou mudar de nome. Isso confere? O que pensa a respeito dessas declarações...
Andreas -
Não confere e não sei do que ele esta falando…

Thiago - Alguns rumores sobre uma provável reunião da formação original do Sepultura brotaram após a saída de Iggor. Max Cavaleira disse em entrevistas na Europa que gostaria de que isso acontecesse. Recentemente o vocalista tocou com seu irmão em um show do Soufly, tocando a música "Roots Bloody Roots". Vocês chegaram a conversar sobre esse assunto? Alguns fãs contam como certo essa reunião...
Andreas -
Não existe nada de concreto, o que o Max fala na imprensa eu não levo muito em consideração porque cada hora é uma coisa, muito contraditório…

Thiago - Eu tenho uma idéia, me parece um tanto impossível, mas a banda poderia pensar a respeito. Sempre quando alguma banda se reúne, a pessoa que sai geralmente fica descontente por ter perdido seu posto, mas no caso do Sepultura onde os fãs já estão acostumados com o vocalista Derrick Green, eu acredito que seria inovador e inteligente manter os dois vocalistas na banda, ou seja, nos shows Max cantaria as músicas clássicas e Derrick Green as dele. O que acha a respeito disso, seria viável?
Andreas -
Acho impossível, existe muito ego que atrapalharia tudo…

"Ele (Iggor Cavaleira) saiu e o Jean esta fazendo um trabalho excepcional. A relação
com os fãs está muito boa, dando apoio a continuação da banda..."
- Andreas Kisser

Thiago - O baterista Roy Mayorga (ex-Soulfly), participou da turnê européia do Dante XXI, como foram esses shows e suas impressões para com ele?
Andreas -
Foram excelentes, o Roy é um grande baterista…

Thiago - E o baterista Jean Dollabela, como chegaram nele? Vocês fizeram algum teste nacional ou mundial com outros bateristas?
Andreas -
Fizemos alguns testes aqui no Brasil e o Jean foi o melhor de todos. A gente já conhecia o trabalho dele e quando ele largou a banda dele, o Iggor saiu do Sepultura… ai conversamos e acertamos tudo. Ele também esta gravando o meu disco solo que vai sair no ano que vem.

Thiago - Na sua opinião qual a importância dos festivais para o cenário brasileiro? Qual seu sentimento em relação a esse tipo de evento.
Andréas -
É muito importante, por que mistura vários estilos diferentes… Eu gosto muito de festivais…

Thiago - O Sepultura foi uma das bandas principais a se apresentar no Live ‘n’ Louder. Fale sobre a performance e a escolha do setlist.
Andreas -
Fizemos o set baseado no Dante e lógico, tocamos as músicas que fazem parte da historia do Sepultura…foi muito foda…

Thiago - Quais bandas você recomenda para os seus fãs escutarem? Pode ser bandas nacionais e internacionais também, não precisa ser somente de Thrash Metal.
Andreas -
Escute aquilo que você gosta… tem muita coisa boa por ai…

Thiago - A banda lançou o novo cd no formato digipack, e em alguns países com bônus tracks. Só assim para o público ter a vontade de comprar álbuns, já que a Internet ganha força cada vez mais?
Andreas -
São opções, já que a pirataria é uma realidade não só aqui no Brasil como no mundo.

Thiago - Falando ainda sobre a Internet, o que você acha sobre a mp3? Condena quem baixa discos inteiros e depois não os compra, ou aceita a situação já que os preços dos discos no Brasil são absurdos?
Andreas -
Aceito a situação, acho que é um caminho sem volta, temos que aprender a lidar com isso.

Thiago - Falando um pouco sobre futebol, o que você acha quando vê um fã seu nos seus shows, tanto do Sepultura quanto em participações, usando a camisa do São Paulo Futebol Clube em sua homenagem?
Andreas -
Acho classe A, mostra que o fã do Sepultura entende de futebol.

Thiago - E qual sua opinião sobre a campanha do tricolor paulista no ano de 2006?
Andreas -
Muito boa, vamos ser campeões brasileiros depois de 15 anos, desde o ano passado temos feito campanhas
irrepreensíveis…

Thiago - Você está sempre se apresentando com sua banda solo, o Brasil Rock Stars. Como se sente tocando clássicos de suas bandas favoritas? Já teve a idéia de fazer algum som com essa sonoridade?
Andreas -
Não é necessariamente uma banda solo, a idéia é juntar amigos e tocar sem compromisso…

"Não existe nada de concreto, o que o Max fala na imprensa eu não levo muito em
consideração porque cada hora é uma coisa, muito contraditório…"
- Andreas Kisser

Thiago - Como você teve essa idéia de formar esta banda e porque de tocar especificamente este estilo?
Andreas -
Curtir os meus ídolos como se estivesse começando na garagem de casa.

Thiago - Você como músico profissional acredita que os workshops são válidos para o público conhecer um pouco mais das suas habilidades?
Andreas -
Com certeza, são oportunidades muito legais para se aproximar dos fãs…

Thiago - O Electric Funeral, banda cover do Black Sabbath, agora faz parte do seu currículo. Bandas covers são importantes para músicos iniciantes ou não? Como surgiu este convite?
Andreas -
Acho importante você tocar o que você gosta, acho covers uma grande escola. Conheço o Vitão por muito tempo e agora pintou a oportunidade de tocarmos juntos… Eu amo Black Sabbath…

Thiago - Você divulgou que estava gravando um álbum solo de nome Hubris. A quantas anda este projeto e qual será o estilo do mesmo?
Andreas -
Estou na fase final de gravações e espero lançar em abril do ano que vem…O estilo é difícil de dizer, vai ser um disco duplo, o primeiro mais relacionado à guitarra e o segundo mais ao violão…

Thiago - Recentemente, você entrou no palco do Credicard Hall, e tocou "Mob Rules", com Ronnie James DIO, como foi isso para você e de onde veio o convite?
Andreas -
Foi espetacular, sou muito fã do Dio e ele foi muito gente fina. Eu meio que forcei a barra pra tocar e ele aceitou na hora… foi emocionante…

Thiago - Hoje em dia, toda banda e ou músico que se preze tem algum site. O que você acha sobre isso? O que seu site pessoal se diferencia dos outros em relação ao conteúdo e visual?
Andreas -
Estou mudando o meu site que esta da mesma maneira por muito tempo. Acho que todos tem que ter um site sim, é um meio natural de divulgação..
.

Thiago - Como surgiu o convite para você gravar algo para o novo disco do Asesino – Cristo Satânico? Você fará parte da banda mesmo ou foi só participação especial?
Andreas -
Eu sou muito amigo do Dino Cazares desde os tempos de Fear Factory, ele me convidou depois que fizemos a festa da RR...

Thiago - Você participou no começo do ano da gravação do cd Roadrunner United e também do show de comemoração dos 25 anos da gravadora. Comente a respeito do cd e do show e qual sua opinião a respeito disso, sabendo que o Sepultura saiu da Roadrunner de uma forma não muito boa, devido à mesma não dar apoio a formação com o Derrick?
Andreas -
Saímos da RR sem brigas judiciais, deixamos a porta aberta foi uma festa maravilhosa, muitos convidados e toda a história da gravadora… Achei a idéia muito boa e fiquei feliz em ter participado.

Thiago - Há duas décadas atrás, bandas de estilos diferentes como o Heavy Metal Melódico e o Thrash Metal, nunca se falavam e até rolava algumas discussões entre fãs e músicos, principalmente no Brasil. Hoje em dia, vejo você tocando com Kiko Loureiro do Angra, fazendo participações especiais em outras bandas, etc... O que mudou no Heavy Metal brasileiro de hoje, para o da década de 80?
Andreas -
Ficaram menos ignorantes… Hoje tudo é possível, acho isso tudo muito saudável para a cena musical…

Thiago - E você, o que mudou na sua personalidade do começo de sua carreira, para agora?
Andreas -
O espírito é o mesmo, só estou mais velho (experiente).

Thiago - Muito obrigado pela entrevista, este espaço é seu para deixar algum recado para os seus fãs e leitores do Metal Revolution.
Andréas -
Valeu pela força e grande abraço a todos...