Melyra – Catch Me If You Can

Melyra - Catch Me If You Can

Melyra – Catch Me If You Can
EP –
 Independente (2014)

Texto por Arony Martins – o conteúdo expresso reflete a opinião do autor, é de inteira responsabilidade deste
Edição por André Luiz

Uma das maiores preocupações que sempre tive enquanto apreciador não somente de bandas de rock, mas de música de um modo geral, foi com o surgimento de novas possibilidades diante inclusive do natural encerramento das atividades das bandas que sempre estiveram presentes em meu dia a dia enquanto ouvinte. Não tem sido simples essa busca e muito mais do que cópias daquilo que foi exaustivamente produzido ao longo principalmente das últimas três décadas, a qualidade tem se apresentado de maneira bastante questionável. Todavia em meio aos diversos trabalhos em que estive mergulhado ao longo do ano, me deparei com algumas novas bandas que me deixaram de certa forma animado. Algumas delas fiz referências ao longo das resenhas que escrevi. E uma delas terei o prazer de apresentar através do review do primeiro trabalho produzido por elas. Sim, isso mesmo, por elas!

Trata-se banda da carioca Melyra que trás em seu line up cinco meninas que com grande competência e criatividade fazem de seu primeiro EP ‘Catch Me If You Can’ um trabalho que merece ser observado com bastante atenção. Com composições sólidas e letras muito bem escritas o grupo formado por Fernanda Schenker (guitarra), Helena Accioly (baixo) e Ana de Ferreira (bateria) deram boas demonstrações de maturidade e originalidade em seu trabalho de estréia. A atual formação ainda conta com Roberta Tesch e Bu Bolzan (a vocalista Mariana Figueiredo e a guitarrista Maria Fernanda Cals, que gravaram o EP já não fazem mais parte do line up do grupo).

Confesso que quando assumi a responsabilidade de desenvolver esse review tive certa preocupação diante de um fato curioso. A maior referência de femininas bandas de rock que tenho ao longo de minha vida enquanto músico, fotógrafo e repórter é o histórico grupo norte-americano Vixen, sendo essa uma das bandas que eu mais admiro de todas aquelas que eu mais gosto. Compara-las poderia ser digamos um pouco injusto visto a juventude do grupo carioca. E a surpresa foi das mais agradáveis. Claro que em diversos momentos ao ouvir as músicas que compõem o EP, tive a sensação de estar aproximando as duas bandas. Todavia seguramente da melhor maneira possível.

Com influências que vão desde o hard rock oitentista ao heavy metal mais tradicional ‘Catch Me If You Can’ é com toda certeza um ótimo trabalho. A faixa de abertura, a instrumental ‘Beyond Good And Evil’, tem a responsabilidade de literalmente contextualizar o que estaria por vir.  Com ‘Nightmare#1’ e ‘Silence’, o peso característico dos estilos que influenciam o trabalho se apresentam significativamente e um ponto que chama atenção é o timbre de Mariana Figueiredo. Pesado e consistente deu uma  atmosfera ainda mais forte às musicas. A quarta faixa é na minha opinião a grande canção do EP: a faixa-título do álbum. Com um riff que sem qualquer dúvida pode ser classificado como matador, mesclado à uma melodia pra lá de agradável, me peguei cantando por dias o ótimo refrão da mesma. ‘Fly’ é uma bela balada que trouxe ao trabalho uma admirável sensibilidade, principalmente durante o solo de guitarra, tornando a canção um dos pontos altos do álbum. ‘Trip To Hell’ encerra o trabalho de estreia do Melyra como iniciou: sólido e esbanjando energia.

É muito interessante quando se percebe que as influências são aproveitadas para se criar novas possibilidades e isso o Melyra demonstrou fazer com habilidade. Um ponto que é necessário ser ressaltado e que de nenhuma forma será abordado enquanto crítica e sim como um merecido incentivo é que uma melhor produção fará dessas músicas algo ainda maior. É claro que levo em consideração o fato de ser um álbum independente e todas as naturais limitações que esse tipo de trabalho trás consigo. Todavia, tratam-se de ótimas canções que não deveriam permanecer no underground somente, merecem voos mais altos.

Integrantes:
Mariana Figueiredo – vocal
Helena Accioly – baixo
Fernanda Schenker – guitarra
Maria Fernanda Cals – guitarra
Ana de Ferreira – bateria

Faixas:
01- Beyond Good And Evil
02- Nightmare #1
03- Silence
04- Catch Me If You Can
05- Fly
06- Trip To Hell

Confira abaixo vídeo clipe da faixa título:

(Visited 18 times, 1 visits today)